Como a Realidade Aumentada mudou o entretenimento?

Com um celular e o aplicativo certo, qualquer pessoa pode ter acesso à Realidade Aumentada. Com certeza, esse está entre os principais motivos que fizeram a tecnologia se aproximar de nossas vidas.

Justamente por isso é que Realidade Aumentada e entretenimento estão cada vez mais andando juntos. Desde o sucesso do Pokémon Go, a RA tem mostrado que, sejam crianças ou adultos, todos temos uma certa fascinação por imagens virtuais que aparecem no mundo real.

Para falar um pouco mais sobre isso, separamos alguns exemplos que mostram como a tecnologia tem mudado o setor do entretenimento.

Realidade Aumentada e jogos

Quem não ouviu falar na febre do Pokémon Go provavelmente não estava nesse planeta. Brincadeiras à parte, o jogo atraiu pessoas de todas as idades porque fez algo que nenhum outro jogo havia feito: criou uma camada de objetos e personagens virtuais acionados por geolocalização ou marcadores especiais, como QR codes.

Mas existem outros exemplos que mostram Realidade Aumentada e entretenimento juntos, no campo dos jogos. A Air Hogs, uma produtora norte-americana de brinquedos de controle remoto, lançou um jogo de drones de Realidade Aumentada, o Air Hogs Connect.

O único objeto físico do jogo é o drone e tudo acontece em um universo virtual. Ao contrário do Pokémon Go, no caso do Air Hogs Connect ocorre a inserção do real (o drone) em um mundo virtual (as cenas do jogo).

Realidade Aumentada em teatros

Outro exemplo no qual Realidade Aumentada e entretenimento funcionam muito bem é no teatro. No setor, a tecnologia não serve apenas para entreter, mas para fins de acessibilidade.

É o caso, por exemplo, quando uma pessoa com deficiência auditiva consegue acompanhar a peça graças a uma legenda sobreposta no ambiente real.

Além disso, existem já vários casos em que clássicos estão sendo reinterpretados utilizando a Realidade Aumentada. Como exemplo, a peça The Tempest, de William Shakespeare, passou por transformações significativas.

Gregory Doran, diretor artístico, utilizou a RA para  criar Ariel, um espírito da peça. Nas interpretações anteriores, Ariel era uma gravação. Graças à RA, ao invés de ouvir uma gravação o público consegue visualizar Ariel em uma performance ao vivo, executada pelo ator Mark Quartley.

A roupa de Quartley contém sensores que leem suas expressões faciais e movimentos. Os dados em tempo real dos sensores alimentam o Ariel digital, que possui cerca de 330 articulações corporais, como em um corpo humano comum. O avatar é então projetado ao vivo no palco.

Realidade Aumentada na música

Assim como a RA, a música também consegue criar emoções intangíveis (especialmente em um show). O exemplo mais icônico nesse campo vem do festival Coachella, que acontece na Califórnia, EUA.

Neste ano, o Coachella ofereceu aos fãs uma experiência aumentada interativa. Por meio do recurso “Coachella Camera” incluído no aplicativo oficial Coachella – disponível para iOS e Android – os fãs puderam acessar uma experiência interativa com tema espacial que responde e reage às apresentações musicais ao vivo em tempo real.

Realidade Aumentada e entretenimento: um caminho sem volta

Com esses três exemplos de como o setor de entretenimento tem sido transformado pela RA, você ainda tem dúvidas de que a indústria está ficando cada vez mais sofisticada?

Uma vez que o entretenimento é sobre diversão e engajamento, nada mais natural que empresas de cinema, desenvolvedores de jogos e produtores procurem por maneiras de impressionar e entreter através de novas maneiras. Então, deixe-se surpreender e tenha em mente que para a Realidade Aumentada não existe limite.

Caso você queira ver na prática como funciona uma experiência de RA, baixe gratuitamente nosso aplicativo e siga os passos abaixo!

Realidade Aumentada
Realidade Aumentada

Gostou deste artigo? Para mais conteúdos como este, acesse o blog da Signia Digital.

Voltar