Dos ad blockers aos Social Ads: como criar anúncios melhores?

A publicidade sempre foi uma área desafiadora. No entanto, a impressão que temos é que anos atrás era algo menos complicado: um anúncio em um jornal, uma foto de um novo modelo de relógio entre uma reportagem e outra em uma revista, um outdoor na esquina e a propaganda no intervalo de um filme.

Hoje podemos continuar fazendo tudo isso, afinal sabemos que a publicidade tida como tradicional não morreu. A diferença é que podemos inserir outros meios, como uma propaganda no YouTube, um banner em um site ou um anúncio pago nas redes sociais. Se do passado para cá o marketing mudou muito, algo continua exatamente igual: as mensagens estão em todo lugar.

Mas, algo mudou

Isso mesmo! Um componente dessa história mudou o jogo e trata-se justamente da pessoa que você quer atrair para seu negócio. Estamos falando do seu cliente potencial. E qual o papel do seu cliente/consumidor nisso tudo?

Simplesmente é ele que tem o poder de ignorar completamente seu anúncio no YouTube ou em podcasts após alguns segundos, ou até mesmo de colocar um bloqueador de anúncio – o ad blocker – para bloquear aqueles banners que poluem as páginas e podem deixá-las lentas.

O problema todo é que muitos bloqueadores afetam os sites das empresas de maneiras inesperadas. Por exemplo, caso o site tenha alguma falha de desenvolvimento eles podem impedir o carregamento de elementos não promocionais.

Então, o que fazer?

Primeiro, vamos aos fatos

Uma pesquisa realizada pela Visual Objects constatou que:

  • Quase dois terços dos entrevistados (64%) bloqueiam apenas anúncios em computadores, o que aumenta as oportunidades de publicidade para celular.
  • A maioria das pessoas com bloqueadores de anúncios ativados (65%) os usa há pelo menos 1 ano, indicando que a tecnologia veio para ficar (os ad blockers surgiram por volta de 2003).
  • É improvável que mais da metade das pessoas com bloqueadores de anúncios (56%) clique nos anúncios em geral.
  • Mais da metade dos entrevistados (51%) fica mais frustrada com os anúncios em vídeo que interrompem o streaming.
  • Quase metade das pessoas (47%) bloqueia anúncios porque interrompe a atividade de navegação.
  • Praticamente um terço (28%) usa um ad blocker em um dispositivo móvel e apenas 8% bloqueiam anúncios em dispositivos móveis e computadores.

Dentre os motivos para as pessoas instalarem plug-ins de bloqueadores estão:

  • Limitar interrupções (47% dos entrevistados)
  • Aumentar o controle sobre a experiência on-line (22%)
  • Evitar anúncios irrelevantes (18%)
  • Desejar ter mais controle sobre sua experiência de navegação (22%)
  • Evitar anúncios inúteis ou irrelevantes (18%)
  • Sentir-se desconfortável com anúncios que mostram produtos do histórico de navegação dos usuários (12%).

Conforme explica o mesmo artigo na página do Visual Objects, empresas precisam estar cientes dos bloqueadores de anúncios e codificar seus sites de modo que o que precise ser exibido não acione o bloqueador de anúncios. Em outras palavras, para garantir que um ad blocker não atrapalhe a experiência do seu site, a dica é trabalhar com empresas e desenvolvedores web que realmente entendam do assunto.

E quando falamos de anúncios de modo geral, vem também a pergunta:

Como tornar anúncios mais atraentes?

Muito provavelmente você mesmo não goste de pop-ups pulando na sua tela e de banners piscando alguma promoção. A não ser que seja um comercial no intervalo do Super Bowl, é bem provável que tampouco goste das propagandas que passam na TV (e com certeza não ficaria feliz caso a Netflix passasse a ter comerciais nos meios de seus filmes ou séries).

Então, se anúncios não são exatamente a sua praia, o que sua empresa pode fazer para atrair a atenção do seu cliente? São várias as respostas, mas aqui queremos nos focar em uma: marketing de experiência (também conhecido por marketing de engajamento).

Como o nome sugere, o objetivo do marketing experiencial é o de criar experiência entre marca e seus consumidores/clientes. Para muitos especialistas a estratégia é a resposta ideal para marcas que buscam um envolvimento mais atraente com seu público.

Via de regra, para o marketing de engajamento, quando uma empresa proporciona uma experiência memorável, positiva ou até excepcional a seus clientes/consumidores, ela aumenta a probabilidade de que eles compartilhem sua marca em seu círculo. E, como você já sabe, o famoso boca a boca tem muito mais aceitação em comparação com qualquer publicidade tradicional.

Marketing de experiência nos anúncios, é possível?

As redes sociais fazem parte do nosso dia a dia e é fato que anúncios bem feitos geram aumento na receita. Os social ads, portanto, merecem nossa atenção. Mas como trazer o elemento da “experiência” para um anúncio?

Bom, o marketing de engajamento trabalha com alguns pilares, sendo que um deles é o da percepção. Nesse caso, a pergunta é: quais sentidos a experiência quer evidenciar? Por exemplo, sua empresa pode fazer um anúncio com carrossel de imagens ambientadas hiper-realistas como essas da Docol:

Ou, quem sabe, fazer um social ad com um vídeo curto, mas atrativo, para um lançamento de produto. Como CTA, o cliente pode começar a ver o anúncio na rede social e vê-lo de forma completa em uma landing page do lançamento, por exemplo.

Para que seu vídeo se destaque, você pode apostar na renderização 3D. Foi o que fez a Motorola como estratégia de lançamento de uma de suas linhas:

Além disso, você sabia que é possível fazer anúncios com Realidade Aumentada no feed do Instagram e Facebook? A primeira marca a testar a estratégia foi a Michael Kors. Na ação, as pessoas podiam experimentar os óculos através da RA. Aliás, a Realidade Aumentada ganha cada vez mais força no marketing de experiência.

Caso você queira entender melhor o que é Realidade Aumentada e todo o seu potencial, em nosso blog temos bastante material sobre o tema, incluindo cases de projeto.

Ligando os pontos

Começamos este post falando sobre bloqueadores de anúncios porque sabemos o quanto empresas investem em anúncios e o quanto a estratégia – quando bem planejada e executada especialmente em mídias sociais e no Google – realmente traz bons retornos. Mas se tem algo que está muito claro atualmente é que clientes e consumidores não querem perder tempo.

O marketing de engajamento tem muito a agregar aos anúncios, pois parte da premissa de que precisa oferecer uma experiência diferente ao cliente/consumidor. E para quem acha que a estratégia tem mais a ver com B2C, garantimos que ela pode ser explorada amplamente pelo mercado B2B também. Se quiser entender um pouco melhor, recomendamos este post.

Gostou deste artigo? Em caso afirmativo, fique à vontade e compartilhe-o com seus colegas.

Voltar